Skip links

Crise na ADPB: depois da demissão em bloco da atual direção as eleições antecipadas são o único cenário

Depois de vários meses nos quais a Associação Desportiva de Ponte da Barca tem estado debaixo de fogo por alegada falta de transparência e abandono por parte da direção a todo o plantel desportivo, ontem, dia 13 de julho, o conselho diretivo, liderado por Vera Bettencourt, renunciou em bloco ao mandato. A ADP passará agora por um processo de eleições antecipadas depois da decisão tomada no dia de ontem, 13 de julho, em Assembleia Geral. 

 

Agora o clube barquense terá de antecipar as eleições e até à marcação da data será guiado por uma por uma comissão administrativa liderada pelo atual presidente da Assembleia Geral, José Alfredo Oliveira, acompanhado de mais 8 sócios que se voluntariaram para guiar os destinos do clube até às novas eleições.

A Assembleia realizada no dia de ontem (13 de julho) foi marcada para a aprovação das contas da época passada uma vez que nas Assembleia passada não foi possível pela ausência de parecer do Conselho Fiscal.

Para Vera Bettencourt, que até ao dia de ontem, presidia o ADPB terá referido que “tomei possa há três anos atrás; e quase metade destes 3 anos foram passados em contexto da pandemia. Mas houve muita coisa boa”, vincou.

Deixando depois as suas palavras de demissão “há ciclos que se encerram e hoje encerra-se o meu na liderança do clube”. Deixando assim o convite para quem quiser “ter a experiência de liderar o clube”.

Assim, a Mesa da Assembleia “não apresente demissão”, serão convocadas “o mais rápido possível” eleições, afirmou José Alfredo Oliveira.

Quanto às contas do clube, um dos temas mais polêmicos e que tem causado mais discórdia no seio da ADPB e seus sócios, José Pedro Amaral, presidente do Conselho fiscal afirmou “não dar parecer positivo às contas com saldo negativo”. Informando ainda que a dívida a fornecedores “ronda os 20.000 euros. Apesar de algumas já se encontraram em pagamento e algumas empresas a dívida passou a donativo”, o que acaba por colocar a dívida em valores a rondar os 11 mil euros.

Por sua parte Vera Bettencourt afirmou que “as dívidas fazem parte da gestão do clube. O que mais me preocupa é o Protocolo com a Câmara Municipal”.

A líder cessante adiantou ainda que o pedido feito à Câmara Municipal é de 30.000 euros assegurando que “falta por receber 2.400 euros dos transportes escolares”.

O Espectador sabe que os salários dos treinadores e da equipa técnica do plantel foram pagos recentemente. A dívida existia há pelo menos, meio ano.

Nas redes socias da MagicaBarca, página de apoio à ADPB podem ler-se posts referentes a tranquilidade que os sócios sentem com a demissão da diretiva do clube que cessou funções no dia de ontem.

 

 

 

Escreva um comentário

Nome

Website

Comment