Skip links

“A vida é como um dente” a Eutanásia

“A vida é como um dente” é um poema de Boris Vian.
Eu sou radicalmente contra os referendos.
Em abstrato os referendos são um dos maiores atos de democracia. Dão ao povo a vontade de escolher. Mas, existe um lado pernicioso neste ato de democracia.
Queriam referendar a eutanásia. Felizmente a maioria parlamentar votou contra.
Entendo que determinados assuntos devem ser decididos por um colégio de pessoas bem informadas. Essas pessoas devem ser os deputados por nós eleitos. Mesmo sabendo que muitos deles pouco se esforçam por isso.
O Brexit é o exemplo mais recente de que há coisas que não devem ser referendáveis. Os ingleses, na sua maioria, votaram contra os emigrantes, contra o governo e não contra a Europa.
Se a eutanásia fosse a referendo ia acontecer o mesmo. Os “contra” iriam aparecer com slogans tipo “querem matar os velhinhos”.
O sofrimento é diferente da dor.
A dor pode ser medida.
O sofrimento é altamente subjetivo, tem a ver com a nossa história de vida, como a percecionámos e de como ela nos desilude.
Boris Vian, no seu poema, mostra-nos de forma metafórica que nós quando somos jovens comemos guloseimas, bebemos álcool, fumamos…enfim, vamos dando cabo da saúde (dente) porque ela nos sobra.
Mas, também nos diz que na vida podemos nos deparar com um sofrimento de tal maneira grande, intangível e inimaginável, que só a morte (arrancar o dente) pode por fim.
Não sei se a vida é um valor absoluto. Sei que o sofrimento intolerável é isso mesmo, intolerável.
Eu sou a favor da eutanásia ou morte medicamente assistida ou lá o que lhe quiserem chamar!

Escreva um comentário

Nome

Website

Comment

  1. Sou a favor, tendo em conta o sofrimento indesejável por qualquer ser humano. É horrível ver o nosso familiar a sofrer e nós incapazes de nada para o aliviar. Só quem passou por isto deseja a eutanásia.

  2. Uma reflexão muito interessante que devia ser lida por aqueles que são contra a eutanásia. Por muito amor que se dê a alguém que está num sofrimento sem volta a pessoa em causa deve poder decidir acabar com esse mesmo sofrimento. É uma liberdade que lhe assiste.
    Um texto de leitura obrigatória para uma reflexão que se impõe.
    Excelente.

  3. Post comment

    Luis Jorge Primavera Castanheira says:

    A nossa lei fundamental e o nosso conceito ético, proíbem a tortura. Ora manter uma pessoa viva, contra sua vontade, em sofrimento extremo físico e psicológico, é praticar a tortura! Médicos, legisladores, parem de praticar a tortura! Já chega!